Copo de 3: Zéfyro branco 2006

15 Janeiro 2008

Zéfyro branco 2006

Na mitologia grega Zéfiro (em grego Ζέφυρος Zephyros) é o vento do Oeste, considerado pelos poetas como o mais ameno e suave dos ventos. O mito do vento Zéfiro diz que este fecundava as éguas de certa região da Lusitânia tornando os cavalos dessa zona invulgarmente velozes.
Entre tantas outras invocações à ligação amorosa entre Zéfyro e Flora destacamos a de Luís de Camões em «Os Lúsiadas» canto IX vv. 40-41:

(...)Ilha, que nas entranhas do profundo
Oceano terei emparelhada,
De dons de Flora e Zefyro adornada;

Ali com mil refrescos e manjares,
com vinhos odoríferos e rosas,(...)

É então Zéfyro o nome deste novo vinho que sai da Sociedade Vitivinícola d´Os Lusíadas, ali bem perto da Azaruja, Alentejo, o mesmo produtor do vinho Canto X que será provado em breve no Copo de 3.

Zéfyro branco 2006
Castas: Viognier - 14% Vol.

Tonalidade amarelo leve dourado com rebordo esverdeado
Nariz apesar de não ser muito expansivo consegue ter um bom nível aromático, destaque para floral com fruta madura de bela qualidade e presente em quantidade assinalável. Destaca-se a pêra, tangerina, alperce e ananás, tudo isto aliado a boa frescura de conjunto. O vinho mostra ainda equilíbrio entre álcool e fruta pelo que se torna perigoso e muito guloso, o toque de calda de fruta está presente em dose subtil o que lhe dá um toque ainda mais apetecível, com um ligeiro toque de cremosidade/baunilha que se entrelaça no conjunto.
Boca com entrada de bela estrutura, bem desenhado e apresentado, acidez presente a dar boa dose de frescura que nos guia durante toda a passagem de boca. A fruta marca mais uma vez presença tal como na prova de nariz, bela espacialidade num vinho que dá boas sensações a quem prova. Final de boca com alguma especiaria (pimenta branca) e toque ligeiramente mineral, persistência média.

Colocado ao lado de outros dois exemplares feitos em Portugal (Diga? e Amantis), as semelhanças de aromas dominantes foram de imediato encontradas, pelo que levou a suspeitar que estamos perante um exemplar onde a casta Viognier marca presença, aqui mais uma vez o contra rótulo em nada ajuda, digamos que a prova pode ser muito bem cega.
É um vinho que nos remete para outras paragens face à faceta mais exótica que apresenta, um vinho diferente e a destacar-se dos restantes vinhos da planície. O preço consegue ser uma surpresa na mais positiva maneira de o dizer, pois ronda os 7-8€ em garrafeira.
16,5

4 comentários:

HMoreira disse...

Ola,

Fiquei muito curioso com este vinho podes indicar alguma garrafeira onde posso compra-lo ?

Obrigado,

Copo de 3 disse...

Em Lisboa comprei na Coisas do Arco do Vinho, pelo preço que referi.

Wine Connections disse...

Fiquei muito curioso, prova deliciosa.
Bom blog, parabéns. Bem estruturado e com provas nada óbvias.
Estou também a começar um, mas estou a tentar fazê-lo em português e inglês. diz-me o que achas.

Obrigado

hmoreira disse...

Acabei por beber a versão o 2007 deste vinho.

Após a prova voltei a este post para comparar impressões (apesar de anos diferentes), fiquei satisfeito porque encontrei muitas notas comuns, o aroma floral a fruta (pêssego) quase em "calda". E o final ligeiro mineral. Na prova que fiz notei também um excesso ligeiro no álcool (para mim). Ainda assim nada desiludido, um branco diferente, muito agradavél e apenas por 8€. Para quando uma prova do 2007?

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.