Copo de 3: Apegadas Rosé 2007

06 Maio 2008

Apegadas Rosé 2007

O tempo em que se perguntava se o vinho rosé era feita de uvas não vai muito longe, a bem da verdade este panorama triste tem vindo a alterar-se nos últimos tempos.
As tonalidades vivas e brilhantes dos vinhos rosados associados a perfis modernos e conquistadores, conseguiram conquistar aquele público mais renitente e são poucos os que hoje em dia, quando o calor mais aperta, não resistem aos encantos de um rosé bem fresco.
O seu carácter fresco e jovem, podendo variar entre um perfil mais leve ou mais encorpado, mais ou menos concentrado e associado a uma grande polivalência a quando do acompanhamento com os mais variados pratos, desde as massas ao peixe e carne grelhada, tem feito com que estes vinhos sejam apreciados e consumidos um pouco por todo o lado.
Hoje em dia é fácil encontrar um produtor que tenha no lote dos vinhos que produz, um vinho rosé. Retomando a devida atenção para o vinho Duriense em prova, é da Quinta das Apegadas que nos chega este rosé, que vai agora para a sua segunda colheita.

Apegadas Rosé 2007
Castas: Combinação das castas Touriga Nacional e Touriga Franca da Quinta das Apegadas (contribuem para a fracção aromática e frescura) e das castas Touriga Franca e Tinta Roriz da Quinta Velha (contribuem para o volume de boca). - Estágio: Estágio sobre borras finas com "batonnage" até Fevereiro de 2008 - 13% Vol.

Tonalidade rosada vibrante aproximada de um ruby vivo e de boa concentração.

Nariz a apresentar um aroma com fruta vermelha (framboesa, morango) muito madura e fresca. Por momentos recorda o aroma da geleia de pêra bem madura, canela e hortelã pimenta. Um vinho fresco e jovem com alguma robustez a sentir-se em conjunto.

Boca de entrada fresca e com bom nível de estrutura presente. Mostra-se bem frutado, com a frescura a embalar todo o conjunto, dotado de um bom volume de boca, sensação de ligeira geleia marca também presença ao lado de uma leve sensação vegetal. Vinho bastante aprazível, bem mais encorpado e de presença na boca mais sentida que outros rosés no mercado. Final de boca de persistência média.

Um rosé que se inclina para um plano mais sério e menos ''brincalhão'', dando mostras de uma bela prestação durante toda a prova, mostrando-se com um perfil mais concentrado e complexo. Uma aposta que se revela excelente companhia para uma salada de frango assado com molho cocktail.
15,5

Sem comentários:

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.