Copo de 3: DOW´S 10 Anos

25 Março 2010

DOW´S 10 Anos

Não é de estranhar junto dos meus amigos mais chegados que se tiver de escolher diante de um Porto Vintage e um Porto Colheita, a minha escolha recaia quase sempre para o estilo Tawny, ou seja, para o Colheita. Para muitos ao lerem isto pode parecer um sacrilégio, como é possível trocar um Vintage por um Colheita ? Simplesmente uma questão de gosto pessoal que me leva a comprar em número bastante superior este tipo de vinho do que propriamente LBV ou mesmo Vintage. O vinho que se segue é o resultado de mais uma das minhas deambulações pelas mais variadas garrafeiras à procura sabe-se lá... mas que sempre acabo por encontrar algo, e neste caso é um tawny datado, 10 anos, da Dow´s.
A família Symington, radicada no Porto desde 1882, possui várias firmas que, no seu conjunto, constituem um dos maiores grupos produtores e exportadores de Vinho do Porto (certamente o maior ainda sob o controlo e gestão familiares). Uma das mais importantes e prestigiadas firmas que constituem este grupo é, sem dúvida, a SILVA & COSENS, titular da marca DOW'S. Fundada em 1798, a Dow´s é integralmente gerida pela quarta geração da família Symington, produtores de Vinho do Porto desde o século XIX. Com uma experiência de mais de 100 anos, a família é responsável por todas as fases de produção dos vinhos, desde os vinhedos, vinificação, até à lotação final dos mesmos. A Dow´s é proprietária de duas das mais emblemáticas quintas do Douro - a Quinta do Bomfim e a Quinta da Senhora da Ribeira. Estas propriedades foram adquiridas em 1896 e 1890 tornando a Dow´s numa das primeiras empresas a investir em vinhedos de grande qualidade.

Dow´s 10 anos
Castas: n/d - Estágio: Lote com uma média de 10 anos - 20% Vol.

Tonalidade âmbar brilhante com rebordo latão.

Nariz inicial com alguma redução resultante dos anos de clausura em garrafa, neste caso foram 23. Desperta aromas de belo encanto, frutos secos, tabaco de enrolar, caramelo, bolo de noz, toffee, couro fino, ligeiro vinagrinho, especiaria, armário velho, cera de abelha, passa de figo, fruta cristalizada, sentindo-se uma boa frescura e sensação de rezina (esteva) que envolve todo o conjunto, bem harmonioso e de refinada complexidade.

Boca de entrada reveladora de um corpo mediano e bem balanceado pela boa dose de frescura presente, com suavidade, complexo e a mostrar alguma profundidade. Dá boas sensações, doçura moderada bem contrabalançada com acidez, num todo com qualidade e a dar bastante prazer, sente-se frutos secos (noz) com uma ligeira oleosidade/untuosidade a meio palato com mais amêndoa torrada, especiaria, passa de figo, tudo em sintonia com o encontrado no nariz. No final acaba ligeiramente seco e com uma longa persistência.

É um vinho que não esconde os seus encantos e sabores, um 10 Anos que me fez as delícias, ainda por mais sabendo que não tive de pagar muito por ele, custou-me 12€ e pena tive de na altura não ter comprado mais. Certamente que os novos 10 Anos da Dow´s não se vão mostrar como este se apresentou, não sei se com a idade vão chegar ao nível que este chegou, afinal de contas os lotes que deles fazem parte vão mudando. 17- 92 pts

2 comentários:

Anónimo disse...

É "quase" como o Palhete, João.
Mas o palhete não precisa de tanto tempo. Quando se decidirem a aparecer por lá faz-se uma de palhetes velhos. Assustadores, quase desafiam a lógica...

Lá te esperamos ;)

Santiago Maritávora disse...

Bom dia, estamos a lançar um projecto de blogue de vinhos diferente e associado à Quinta de Maritávora. Neste espaço pretende-se falar de vinho como prazer, da literatura, aos saberes populares, à pintura e às demais artes ou ciências ligadas ao vinho. Não vamos ter crítica de vinhos nem será um blogue comercial, mas um espaço de prazer ligado ao vinho. Será um prazer receber-vos. Para qualquer contributo podem escrever para santiagomaritavora@gmail.com

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.