Copo de 3: Outubro 2010

29 outubro 2010

Taylor´s Scion

Corria o ano de 1885, o Imperador Napoleão III pedia um sistema que classificasse os melhores vinhos de Bordéus a serem expostos durante e Exposição Universal de Paris, deste pedido iria nascer a famosa Classificação Oficial de Bordéus de 1855... milhares de quilómetros ao sul, no Douro pré-filoxérico era produzido um tawny ali bem perto da Régua, mais propriamente nas caves de uma família ligada ao Douro, em Prezegueda. Passados 155 anos, com duas Guerras Mundiais pelo meio, é no ano de 2008 que David Guimaraens, enólogo da Taylor’s "encontrou" e provou esta relíquia de família que tinha vindo a passar de geração em geração. Um vinho tão bom que das 3 barricas uma teria sido vendida a Winston Churchill, e que após 155 anos de envelhecimento em barrica, se mostrou em perfeitas condições e com uma "complexidade mágica".
A história completa-se quando em 2009 a Taylor´s compra as duas barricas restantes, e segundo palavras de Adrian Bridge: “A Taylor’s reconheceu de imediato a qualidade absolutamente notável deste vinho e a sua importância histórica pelo que decidiu não o lotar, mas lançá-lo como um vinho de colecção,” pelo que apenas 1.400 garrafas de Scion estarão disponíveis para venda,cada uma delas rondará os 2500 euros, num conjunto luxuoso onde todos os detalhes foram tidos em conta, até uma caixa de madeira que imita os estojos utilizados no século XIX.

“Scion may be one of the last great representatives of a lost viticultural era, the Douro vineyards in pre-Phylloxera days were ungrafted and a different mix of varieties planted from those used today. This Port represents a rare piece of history and is an exciting and very unique offer for consumers.”, Adrian Bridge, Taylor´s Chief Executive Officer

O poder privar com um vinho desta natureza torna-se um momento inesquecível na vida de qualquer enófilo, é algo que nos faz sentir pequeninos, um momento que dificilmente se repetirá tal a raridade do vinho e do acontecimento... ali foi provado, honrado e brindado à memória de todos aqueles que o fizeram, guardaram e trouxeram até nós.

PS: A palavra Scion tem dois significados: o descendente ou herdeiro de uma família nobre e garfo de uma planta, especialmente utilizado para a enxertia.

Taylor´s Scion: Na garrafa é escuro como o breu, largado  no copo recorda caramelo, âmbar, com o primeiro impacto no nariz é colossal e arrebatador... tudo pára à nossa volta como se fosse uma máquina do tempo, e que tempo. Tudo o que é bom de encontrar mora ali, tal é a concentração e complexidade, apesar da delicadeza e finura com que tudo se mostra neste vinho que parece que vamos sendo acompanhados por várias camadas de aromas e de sabores, a cada página... perdão, a cada vez que o levamos ao nariz ou à boca é como se algo novo se fosse juntando ao conjunto já de si bastante complexo e profundo. Sente-se muita frescura no aroma com toques de melaço e fruta cristalizada misturada, café, especiarias diversas, tabaco enrolado na forma de charuto, conjunto com tudo muito limpo bem definido, quase como um mostruário de ourives. Boca com enorme frescura, um corpo na medida certa, o vinho parece que não acaba de se despedir, perdura e perdura, tudo o que encontramos no nariz é transferido de maneira subtil para o palato, sempre guiado por uma acidez excepcional, num vinho em que não consegui dizer que lhe falta mais disto ou daquilo, ou que peca no fim de boca, nada... será isto o vinho perfeito ? 20 - 100 pts

23 outubro 2010

Sexy by Fita Preta

Sexy branco 2009, Sexy Rosé 2009 e Sexy tinto 2009

Sexy é o arrojante e atraente nome que o projecto Fita Preta arranjou para os seus vinhos de entrada de gama. Se o nome por si só já chama a atenção, os rótulos fazem o resto do trabalho, cativando a compra destes vinhos cujos preço cerca de 7€ se revelou, num mais que noutro, sensato para a qualidade oferecida. São na sua essência vinhos para serem consumidos no imediato, num consumo de curto prazo a fim de tirar máximo partido da frescura da fruta que mostram. Os vinhos de consumo a médio e longo prazo desta empresa vão ser alvo de prova mais para a frente.

Sexy branco 2009 : São 10.000 garrafas, vinho feito à base de Roupeiro (50%), Verdelho (30%) e Viognier (20%), apenas 10% passou por barricas novas de carvalho francês. Mostra aroma de mediana intensidade, frutado com nota de fruto tropical, citrinos e alguma fruta de polpa branca, frescura, conjunto compacto e jovem, mistura-se com sensações vegetais onde se destaca aroma a chá e ligeira sensação de arredondamento lá no fundo do copo. Boca com entrada fresca e ligeiramente frutada, mediano em estrutura com passagem agradável e persistência final moderada. 15 - 87 pts

Sexy rosé 2009 : São 15.000 garrafas com Touriga Nacional a meias com Aragonês, em que só conheceram o frio do inox. Um rosé onde se destaca um aroma fresco centrado na fruta vermelha com leve toque floral, entendimento bom entre as castas, tendencialmente para a secura (sem grandes doçuras associadas) o que é sempre bom sinal. Na boca revela boa elegância e frescura, frutado com toque de vegetal fresco a terminar em boa persistência. 15 - 87 pts

Sexy tinto 2008 : São 65.000 garrafas onde o lote é constituído por Touriga Nacional, Syrah, Aragonês e Cabernet Sauvignon. Aroma sem despontar grande complexidade, frutado e jovem, com frutos do bosque e ligeiro travo vegetal fresco a despontar criando uma ligeira austeridade vegetal que se dilui em toque fumado, baunilha a criar algum aconchego. Sensação morna, harmonia de conjunto onde tudo parece querer agradar. Boca com corpo mediano a revelar sintonia com a prova de nariz, macio, frescura ligeira, guloso a mostrar leve doçura da fruta, bastante equilibrado e apetecível. 15,5 - 89

18 outubro 2010

Desnível 2007

Um projecto jovem de dois jovens durienses (Luís Pinto dos Santos e João Lopes Pinto) com um sonho em comum, produzir "vinhos de qualidade, com apelo aos terroirs em que nasceram". Começaram em 2007, um bom ano no douro, por fazer uma pequena brincadeira, juntaram uvas de duas quintas, a vinha do Poralqueire com cerca de 30 anos, situada no Vale da Teja - Vila Nova de Foz Côa (Douro Superior) com grande predominância da casta Touriga Franca, com as de uma vinha com mais de 80 anos, situada na Quinta do Vale do Barco, em Tabuaço (Cima-Corgo). Foi produzido na Quinta da Covada, em Tabuaço, com pisa a pé e estagiado, uma parte, em barricas de carvalho francês e outra em inox. Chegada a fase de escolher o nome e, após muitas tentativas falhadas ora porque já existia uma marca com esse nome, ora porque não conseguiam imaginar como seria o rótulo, etc etc... eis que com a ajuda do "Copo de 3" que deu uma sugestão que agradou imenso: "desnível"! Tem tudo a ver com este caso: 2 vinhas, uma a 350m de altitude, em encosta no Douro Superior e outra a 500m, em socalcos ancestrais no Cima-Corgo. Dito pelos responsáveis pelo Desnível, é um vinho focado no fruto vermelho amplo e expressivo, ganhando complexidade com a leve sensação de tosta, especiaria e bosque, que com a evolução será o suporte de um carácter fresco que caracteriza as duas vinhas. De perfil algo tânico, pede entre 8 meses a um ano de paciência para ser apreciado de modo mais harmonioso. São 2.000 garrafas que ficaram durante 2 dias ao alto, para que a rolha expanda e se adapte ao gargalo, sendo depois deitadas num sítio fresco, moderadamente húmido e sem luz solar. Após o término da vindima de '09 foi iniciada a sua comercialização. O PVP aconselhado ronda os 8 €.


Desnível 2007
Castas: Rufete, Tinta Amarela, Touriga Franca e Touriga Nacional - Estágio: Barrica e Inox - 14% Vol.

Tonalidade granada escuro de média concentração

Nariz de boa intensidade, marcado pela fruta limpa e madura em ligação com mato rasteiro, esteva com algum floral ligeiro. Delicada complexidade por vontade do estágio que levou e leva, a barrica porta-se bem, punhado de especiarias, tosta e chocolate preto, em fundo com boa frescura. Parece precisar de mais um tempo, para tudo se arrumar de vez.

Boca com boa amplitude, sente-se fruta, sente-se frescura num conjunto que apesar de algum polimento que o torna desde já bastante agradável pela estrutura que tem mesmo não sendo muito ríspida é a suficiente para o vinho se aguentar com pratos mais temperados, tendo algum arrasto com secura vegetal no final de boca com boa persistência patrocinado por taninos rebeldes ainda por acomodar.

Como "padrinho" deste vinho, tive o prazer de o provar muito antes de sair para o mercado e já me tinha agradado, voltei novamente a ele agora já disponível e melhorou em relação ao que já conhecia. É um vinho do Douro, tem lá aquela marca que os caracteriza, não se confunde ou faz-se confundir com novas tendências... esperando eu por ver como será a sua evolução em garrafa, pois tem acidez e taninos para isso. Como sinto que fiz parte nem que seja um bocadinho deste projecto, dar o nome é sempre algo importante, opto por não atribuir qualquer nota a este vinho.

06 outubro 2010

O Futuro visto pelo Robert Parker

Robert M. Parker, Jr., o mais famoso crítico de vinhos do mundo e a pessoa que mais poder de influência tem no mundo do vinho nos dias de hoje, ignorado por uns e admirado por outros, fez 12 previsões acerca das mudanças que o mundo do vinho irá ter segundo ele no futuro, escreveu tudo isto em Outubro de 2004 na Food & Wine. Passados 6 anos proponho que se relembre o que foi escrito naquela altura e talvez pensar no estado das coisas nos dias que correm... será que há semelhanças com o que foi previsto ? Caminhamos para lá ? Afinal de contas o Sr. Parker tinha razão no que disse ?


1 Distribution will be revolutionized
I predict the total collapse of the convoluted three-tiered system of wine distribution in the United States. The current process, a legacy of Prohibition, mandates that all foreign wines must be brought into the country by an importer, who sells them to a wholesaler, who sells them again to a retailer.
Most U.S. wineries sell to a distributor, who in turn sells the wines to a retailer. It is an absurdly inefficient system that costs the consumer big bucks. This narrowly restricted approach (blame all the lobbyists funded by powerful liquor and wine wholesalers) is coming to a dramatic end-hastened in part by the comparative ease of ordering wine over the Internet.
Differing federal court opinions over the last decade have insured that eventually the Supreme Court will have to rule on whether wineries can sell directly to whomever they wish, whether it is a wholesaler, retailer or consumer. Imagine, if you can, a great Bordeaux château, a tiny estate in Piedmont or a small, artisanal winery in California selling 100 percent of its production directly to restaurants, retailers and consumers. I believe it will be possible by 2015.

2 The wine Web will go mainstream
Internet message boards, Web sites tailored for wine geeks and state-of-the-art winery sites all instantaneously disseminate information about new wines and new producers. Today the realm of cyberspace junkies and hardcore Internet users, these sites will become mainstream in 10 years. A much more democratic, open range of experts, consultants, specialists, advisors and chatty wine nerds will assume the role of today's wine publications.

3 World bidding wars will begin for top wines
Competition for the world's greatest wines will increase exponentially: The most limited production wines will become even more expensive and more difficult to obtain. The burgeoning interest in fine wine in Asia, South America, Central and Eastern Europe and Russia will make things even worse.
There will be bidding wars at auctions for the few cases of highly praised, limited production wines. No matter how high prices appear today for wines from the most hallowed vineyards, they represent only a fraction of what these wines will fetch in a decade. Americans may scream bloody murder when looking at the future prices for the 2003 first growth Bordeaux (an average of $4,000 a case), but if my instincts are correct, 10 years from now a great vintage of these first growths will cost over $10,000 a case...at the minimum. It is simple: The quantity of these great wines is finite, and the demand for them will become at least 10 times greater.

4 France will feel a squeeze
The globalization of wine will mean many things, most of it bad news for the country historically known for producing the world's greatest wines: France. The French caste system will become even more stratified; the top five percent of the estates will turn out the most compelling wines and receive increasingly astronomical prices for them.
However, France's obsession with tradition and maintaining the status quo will result in the bankruptcy and collapse of many producers who refuse to recognize the competitive nature of the global wine market.

5 Corks will come out
I believe wines bottled with corks will be in the minority by 2015. The cork industry has not invested in techniques that will prevent "corked" wines afflicted with the musty, moldy, wet-basement smell that ruins up to 15 percent of all wine bottles. The consequences of this laissez-faire attitude will be dramatic. More and more state-of-the-art wineries are moving to screw caps for wines that need to be consumed within 3 to 4 years of the vintage (about 95 percent of the world's wines). Look for this trend to accelerate. Stelvin, the screw cap of choice, will become the standard for the majority of the world's wines.
The one exception will be great wines meant to age for 20 to 30 years that will still be primarily cork finished-although even the makers of these wines may experience consumer backlash if the cork industry does not solve the problem of defective corks. Synthetic corks, by the way, are not the solution. They do not work and can't compete with the Stelvin screw caps.

6 Spain will be the star
Look for Spain to continue to soar. Today it is emerging as a leader in wine quality and creativity, combining the finest characteristics of tradition with a modern and progressive winemaking philosophy. Spain, just coming out of a long period of cooperative winemaking that valued quantity over quality, has begun to recognize that it possesses many old-vine vineyards with almost unlimited potential. Spanish wineries recognize that they are trapped neither by history nor by the need to maintain the status quo that currently frustrates and inhibits so many French producers. By 2015, those areas that have traditionally produced Spain's finest wines (Ribera del Duero and Rioja) will have assumed second place behind such up-and-coming regions as Toro, Jumilla and Priorat.

7 Malbec will make it big
By the year 2015, the greatness of Argentinean wines made from the Malbec grape will be understood as a given. This French varietal, which failed so miserably on its home soil in Bordeaux, has reached startling heights of quality in Argentina. Both inexpensive, delicious Malbecs and majestic, profoundly complex ones from high-elevation vineyards are already being produced, and by 2015 this long-ignored grape's place in the pantheon of noble wines will be guaranteed.

8 California's Central Coast will rule America
Look for wines from California's Central Coast (an enormous region that runs from Contra Costa down to Santa Barbara) to take their place alongside the hallowed bottlings of Napa and Sonoma valleys. No viticultural region in America has demonstrated as much progress in quality and potential for greatness as the Central Coast, with its Rhône varietals, and the Santa Barbara region, where the Burgundian varietals Chardonnay and Pinot Noir are planted in its cooler climates.

9 Southern Italy will ascend
While few consumers will be able to afford Piedmont's profound Barolos and Barbarescos (which will be subject to fanatical worldwide demand 10 times what we see today), once-backwater Italian viticultural areas such as Umbria, Campania, Basilicata and the islands of Sicily and Sardinia will become household names by 2015. The winemaking revolution currently under way in Italy will continue, and its rewards will become increasingly apparent over the next decade.

10 Unoaked wine will find a wider audience
Given the increasingly diverse style of foods we eat as well as the abundant array of tastes on our plates, there will be more and more wines that offer strikingly pure bouquets and flavors unmarked by wood aging. Crisp, lively whites and fruity, savory and sensual reds will be in greater demand in 2015 than they are in 2004. Wood will still have importance for the greatest varietals as well as for wines that benefit from aging, but those wines will make up only a tiny part of the market.

11 Value will be valued
Despite my doom-and-gloom prediction about the prohibitive cost of the world's greatest wines, there will be more high-quality, low-priced wines than ever before. This trend will be led primarily by European countries, although Australia will still play a huge role. Australia has perfected industrial farming: No other country appears capable of producing an $8 wine as well as it does. However, too many of those wines are simple, fruity and somewhat soulless. Australia will need to improve its game and create accessible wines with more character and interest to compete in the world market 10 years from now.

12 Diversity will be the word
By 2015 the world of wine will have grown even more diverse. We will see quality wines from unexpected places like Bulgaria, Romania, Russia, Mexico, China, Japan, Lebanon, Turkey and perhaps even India.
But I believe that even with all these new producers, the saturation point will not be reached, since ever greater numbers of the world's population will demand wine as their alcoholic drink of choice.

Binomio 2001

Binomio é um projecto de dois velhos amigos: Stefano Inama da Azienda Agricola Inama em Veneto e Sabatino Di Properzio da Fattoria la Valentina. Uma ideia simples que nasceu da convicção de que a Montepulciano é uma uva nativa Italiana com um extraordinário potencial. A vinha de quase 4 ha, situada na região de Abruzzo, de onde nasce o Binomio foi plantada em 1971 com o clone "Africa", localizada a 500 metros de altitude e foi comprada em 1999. O ano de 2002 marca a consolidação da adega com a adição das últimas cubas de fermentação e uma sala de barricas climatizada.
A compra deste vinho foi um completo tiro no escuro, daqueles vinhos que no desconhecido conquistou a atenção pelo conjunto de dois factores, o preço ao alcance ainda que não sendo barato ficou a rondar os quase 30€ e a pomposa nota que teve na imprensa estrangeira (95 pts da Wine Spectator), aqui a responder a todos aqueles que perguntam se devemos ou não seguir as notas deste ou daquele, neste caso a nota serve como mero sinalizador de qualidade, nada mais, resta depois de provar sabermos se concordamos ou não com o score antes obtido. Portanto foi com a vontade de partir à descoberta de novos aromas e novos sabores que certamente nos aguardavam e desconhecendo por completo tanto a casta como o estilo de vinho que nos esperava, que este vinho me veio parar ao copo... e em boa hora foi escolhido e bebido.

Binomio Montepulciano 2001
Castas: 100% Montepulciano - Estágio: 15 meses barrica carvalho Francês novo e segundo ano 50/50 - 15% Vol.

Tonalidade granada escuro, concentrado com leve rebordo violeta.

Nariz com um aroma denso, profundo e concentrado onde não se consegue fugir da sensação de extracção com uma belíssima geleia de fruta em destaque, mas tudo com excelente qualidade e embalado por uma frescura que torna o vinho bastante apetecível sem cair no enjoo, harmonioso e ao mesmo tempo dando sensação que ainda não se desembrulhou ao completo, mostrando por agora notas de groselha negra, framboesa, cereja, tudo limpo e maduro. Atraentes aromas do estágio e da evolução, muita especiaria doce, suave madeira, pimenta preta, cravinho, lavanda e outras ervas do monte, tabaco, chocolate e toque floral pelo meio. Fundo a derreter para bombom de ginja e lá no fundo uma leve mineralidade/terroso onde assenta todo este colosso.

Boca muito bem estruturada, ampla e quase a mastigar a fruta de tão boa que está, madura, suculenta, complexidade que se sente com variados sabores a surgirem, enche o palato, fruto negro, chocolate, especiaria, com os 15% camuflados que nem se notam, um vinho de puro prazer ainda que com muita garra e garrafa pela frente.  O fina de boca é longo e muito persistente, um todo muito acolhedor com fio condutor assente numa bela acidez.


Um vinho potente, maciço, um autêntico portento de força onde a frescura que contém o transforma numa besta controlada e fácil de se gostar. É de 2001 e enquanto continua a crescer e a abrir os braços, outros à sua volta vão vendo o seu fim anunciado... mesmo quando o preço pedido por eles é superior a este Binomio. Neste perfil, direi neste calibre Howitzer... será certamente do melhor que me tem passado pelo copo nos últimos tempos. 18 - 95 pts

04 outubro 2010

Schloss Schönborn Riesling Brut 2006

Numa jornada enófila que fiz na companhia de dois amigos, Pingas no Copo e Pingamor, parou-se em Muge na loja da Casa Cadaval com o objectivo de tentar arranjar o afamado varietal Trincadeira Preta de colheitas mais antigas, convém avisar os mais desatentos que a Casa Cadaval costuma colocar vinhos de anteriores colheitas à venda na sua loja a preços sensatos, o que é sempre bom para o consumidor. Infelizmente o vinho que procurava estava esgotado, resolvi passar os olhos pela restante gama de vinhos existente na loja. Deparei-me na altura com um conjunto de 4 espumantes de nacionalidade alemã. Este facto explica-se facilmente pois a Casa Cadaval é gerida pela Condessa von Schonborn, irmã do Conde von Schonborn que gere os destinos dos vinhos Schloss Schonborn (Rheingau). Na loja podem-se comprar todas essas 4 referências sendo que o Pinot Blanc seja exclusivamente vendido como parte de um pack, optando por comprar o Riesling Brut Vintage 2006, cujo preço rondou os 12€.

Schloss Schönborn Riesling Brut 2006


Tonalidade amarelo dourado de média concentração e bolha média de boa persistência

Nariz de boa intensidade, aroma fresco com fruta madura (alperce, lima), sente-se um suave aroma a gás de isqueiro, com toque de mel e algum fruto seco em fundo. Muito agradável de cheirar, tudo bem embrulhado em mineralidade conseguindo manter a boa forma durante bastante tempo.

Boca onde se faz sentir uma agulha fina, todo ele se mostra bem fresco, acidez bem presente com frutado de início no toque de limão, alperce num conjunto que mostrou média estrutura, algo redondo com secura sentida no final, perdendo ligeiramente algum refinamento e vigor com o tempo no copo, mostrando uma boa persistência final.

Foram poucos os contactos que tive com espumantes feitos à base da casta Riesling, dos que provei este foi sem dúvida o melhor de todos. Com o tempo que passou por ele mostrou que a evolução foi positiva o que lhe conferiu uma fina e delicada complexidade, refrescante e bastante agradável de se cheirar e beber. Uma verdadeira surpresa que deu vontade de voltar a provar muito em breve. 91 pts

03 outubro 2010

Bucellas Arinto 2009

Distribuído em supermercados e hipermercados, com preço recomendado de venda ao público de 3,99€, e ainda em Restaurantes e Garrafeiras. A marca Bucellas tão conhecida pelas suas famosas medalhas está diferente: mais moderna e qualitativa, com várias mudanças realizadas ao nível da garrafa que agora se apresenta com garrafa renana, um rótulo mais limpo, menos elementos mas com os que tão bem caracterizam esta marca (o ouro e as medalhas), e a nova cápsula dourada e preta com a assinatura Caves Velhas Signature.
O vinho em causa é um 100% Arinto, a casta rainha da região de Bucelas, com uma produção de 160.000 garrafas a cargo do enólogo Osvaldo Amado.


Bucellas Arinto 2009
Castas: 100% Arinto - 12,5% Vol.

Tonalidade amarelo citrino de baixa concentração.
Nariz a cheirar a fruta fresca com boa intensidade, destaque para lima e limão, melão com toques de leve doçura da fruta, em conjunto com vegetal em destaque e envolto em boa dose de frescura, sensação de ligeira mineralidade em fundo.
Boca com frescura citrina bem viva, lima e limão, mediano na largura e um pouco melhor na profundidade, acompanha a qualidade da prova de nariz o que é sempre muito bom sinal, aqui a frescura está bem presente a ligar-se com a fruta que se sente limpa mas sem que a sua presença seja muito acentuada e algum vegetal. Conjunto equilibrado e com harmonia, mostrando no final alguma secura com boa persistência.
Mostrou juventude e mostrou frescura durante toda a prova, um Arinto que não merece o esquecimento a que os vinhos desta região estão sujeitos, merecem toda e mais que merecida atenção , até porque o preço faz com que seja bastante acessível e a qualidade bem apetecível. 15,5 - 89 pts
 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.